Quais são os fatores de risco da COVID-19 para diabéticos?

Saiba mais sobre o impacto da COVID-19 em diabéticos e esteja preparado(a) durante os surtos pandémicos. Saber é poder!

Reading time: 
5
minutes
Published: 
November 2, 2021

Qual foi o efeito geral da pandemia?

Dezoito meses decorridos de pandemia, os estudos epidemiológicos indicam que a diabetes é um contribuinte importante para a morbidade por COVID-19. Assim, a COVID tem tido um efeito devastador na população diabética. Num estudo global em países industrializados, durante o primeiro surto da pandemia, as taxas gerais de mortalidade eram 18% mais altas do que nos anos anteriores. Dos casos que faziam ultrapassar a média, 75–80% foram atribuídos oficialmente à COVID-19. As causas dos restantes ∼20–25%, não atribuídos à COVID-19, não foram estimados com precisão, mas é provável que haja alguma combinação de falta de informação sobre a COVID-19 e impactos indiretos da pandemia. Por exemplo, o tratamento atrasado ou o subtratamento de outras condições causam aumentos de outras causas de morte.

O excesso de mortalidade relativamente às tendências históricas foi 51% mais elevado na diabetes tipo 1 e 64% mais elevado na diabetes tipo 2, com cerca de dois terços das mortes oficialmente atribuídas à COVID-19. Como o excesso de mortalidade relacionado com a COVID-19 na população geral foi ∼20%, isto significa que os surtos pandémicos da COVID-19 tiveram mais do dobro do impacto nas populações com diabetes.

Indicadores de morbilidade e mortalidade relacionados com a COVID-19 entre séries de casos com diabetes

Uma revisão sistemática abrangente de 22 estudos dos indicadores da gravidade da COVID-19 e da morte revelou que o sexo masculino, a idade, várias condições comórbidas, o uso de insulina e vários indicadores laboratoriais na admissão — incluindo níveis elevados de glicose, contagem de glóbulos brancos, contagem de neutrófilos, e contagem de linfócitos — são todos significativos. O excesso de peso ou obesidade estava associado a ∼30% de aumento do risco de resultados graves de COVID, mas não estava associado à mortalidade. A utilização de metformina tendia a ser associada a um risco reduzido tanto da gravidade como do risco de morte por COVID. De notar que a duração da diabetes, o tabagismo, a hipertensão, e cancro simultâneo não estavam associados à gravidade da COVID-19 ou à morte entre os hospitalizados por COVID-19. Os resultados sugerem que entre as populações adultas, em qualquer idade, as pessoas com diabetes do tipo 1 têm pelo menos o mesmo risco de resultados negativos relacionados com a COVID-19 que os indivíduos com diabetes do tipo 2.

Risco de morbilidade e mortalidade entre pessoas hospitalizadas

A prevalência da diabetes é particularmente alarmante entre adultos jovens e de meia-idade, o que se reflete em 14 estados Americanos, como analisado pelo COVID-NET do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA, onde adultos hospitalizados com idades compreendidas entre os 50 – 64 anos tinham uma prevalência de diabetes (32%) tão elevada quanto aqueles com 65 anos ou mais (31%). Além disso, um exame mais atento revela uma elevada prevalência de diabetes anteriormente não diagnosticada entre pessoas hospitalizadas por COVID-19, onde a hiperglicemia e o diagnóstico podem ter sido precipitados pela infeção da COVID-19.

Em média, 33% das pessoas hospitalizadas com morbilidades graves relacionadas à COVID-19 e 39% das mortes estavam ligadas à diabetes. Entre as pessoas com diabetes, 21 – 43% desenvolveram doença grave (isto é, problemas respiratórios, necessidade de ventilação mecânica, entrada nos cuidados intensivos) e a fatalidade esteve entre os 24 e 29%. Estudos que analisaram os resultados de tratamentos específicos revelaram que a diabetes é um forte indicador da necessidade de ventilação mecânica, oxigenação por membrana extracorporal, e terapia de substituição renal a longo prazo.

Qual foi o impacto indireto da COVID-19 na população com diabetes?

Para a maioria das pessoas, os efeitos mais profundos da pandemia não foram a infeção pelo coronavírus, mas antes a perturbação social diversificada e alargada que a pandemia causou, através de mudanças no funcionamento do sistema de saúde, nos comportamentos e apoio comunitário; mudanças ambientais; e o stress da doença COVID-19 nos familiares. Esta perturbação pode ter efeitos adversos e indiretos na deteção, prevalência e gestão da diabetes e outras condições, agravando ou melhorando os comportamentos de saúde e a autogestão. O reconhecimento dos efeitos indiretos da pandemia, em resultado de confinamentos e mudanças nas rotinas, é particularmente importante para compreender as futuras necessidades de saúde pública para a população com diabetes.

Dependendo das políticas locais, as mudanças para o teletrabalho e o encerramento ou o acesso reduzido a supermercados, restaurantes e fast food podem ter efeitos tanto a curto como a longo prazo na qualidade da dieta, bem como nos hábitos de atividade física e autogestão da diabetes. O consumo de refeições caseiras e de frutas e legumes aumentou, mas também aumentou o consumo de alimentos menos saudáveis e de aperitivos, o número de refeições consumidas por dia, e a ingestão de alimentos em geral. Outros estudos revelaram um aumento de 20 – 40% no consumo de doces. Além disso, 64 estudos identificaram uma mudança na atividade física; a maioria dos estudos observou um declínio em toda a atividade física e um aumento no comportamento sedentário, mas também um aumento na atividade física nos tempos livres. Uma meta-análise revelou que 32% da população em geral tem problemas de sono, mas não avaliou as mudanças ao longo da pandemia.

O que pode fazer para prevenir o problema?

Para protegermos a nossa própria saúde, devemos levar um estilo de vida adequado e gerir conscientemente a diabetes. Uma vez que a doença constitui um risco acrescido na pandemia, vale a pena seguir "as regras do jogo". Dado que a COVID-19 pode alterar a sua rotina diária de uma forma negativa, é provável que esteja em risco acrescido de um resultado negativo causado pela doença. Para reduzir os fatores de risco, podemos utilizar várias tecnologias para gerir adequadamente a diabetes — glucómetros, bombas de insulina e aplicações de registos. Uma das aplicações de registos mais notável — com funcionalidades únicas que a sua concorrência não possui — é a DiabTrend.

A aplicação DiabTrend é ideal para registar e monitorizar os parâmetros de nutrição, intensidade e regularidade da atividade física, saúde mental, glicose e dosagem de medicamentos/insulina diariamente, mesmo em tempos tão difíceis. Ajuda a desenvolver um estilo de vida consciente e saudável e proporciona muitos conhecimentos úteis no que diz respeito ao tratamento da diabetes. Se tiver interesse, não hesite em experimentá-la!



Android: https://play.google.com/store/apps/details?id=com.diabtrend

iOS: https://apple.co/3tjh734

Ou registe-se através do computador: https://app.diabtrend.com/

Lide com a sua diabetes de forma inteligente!

Start DiabTrend

Outras publicações sobre a diabetes