TABLE OF CONTENTS
Diabetes complications

Como gerir a pressão arterial alta e a diabetes do tipo 2

Aprenda a gerir a pressão arterial alta com diabetes do tipo 2

Richard Johnson
Reading time: 
6
minutes
Published: 
March 15, 2022

Para pessoas com diabetes, a hipertensão arterial é comum. Num estudo, a prevalência de hipertensão entre pessoas com diabetes do tipo 2 foi estimada em 85,8% com limiares de pressão sanguínea de 130/80 mm Hg e acima. Para pessoas que sofrem de ambas as condições, deve ser dada maior prevalência aos efeitos da dieta DASH sobre a redução da pressão arterial.

O que é a hipertensão?

A pressão arterial corresponde à pressão a que o coração bombeia o sangue pelos vasos sanguíneos e à volta do corpo.

Há dois números usados para descrever a pressão arterial, medidos em milímetros de mercúrio (mmHg). O primeiro é o número mais alto ("pressão arterial sistólica") — a maior quantidade de pressão que o coração aplica ao bombear sangue à volta do corpo. O segundo é o valor baixo e é chamado de "pressão arterial diastólica". Mede a pressão nas artérias quando o coração descansa entre batimentos, e é a quantidade mais baixa de pressão. A pressão arterial ideal situa-se entre 90/60mmHg e 120/80mmHg.

A pressão arterial elevada encontra-se estipulada nos 130 mmHg ou acima no caso do número sistólico, ou mais de 80 mmHg (milímetros de mercúrio) no caso da pressão diastólica. A tensão arterial elevada afeta mais homens do que mulheres (em 5%), embora as complicações sejam mais sentidas pelas mulheres.

Formato da tabela criada por Heart.org

Que problemas são associados à hipertensão arterial?

Embora inicialmente existam poucos sintomas, a hipertensão arterial causa danos significativos ao corpo humano ao longo do tempo. É duas vezes mais provável que atinja uma pessoa com diabetes do que uma pessoa sem diabetes, e existe um risco mais elevado de desenvolver diabetes do tipo 2 se lhe tiver sido diagnosticada hipertensão arterial.

Sintomas comuns de hipertensão arterial

  • Dor de cabeça
  • Sangramento nasal
  • Fadiga
  • Confusão
  • Visão turva
  • Arritmia
  • Dores no peito
  • Sangue na urina

Problemas a longo prazo

  • Insuficiência cardíaca
  • Perda de visão
  • Acidente vascular cerebral
  • Doença renal

Além da diabetes do tipo 2, a hipertensão é também um fator de risco primário para doenças cardiovasculares, incluindo AVC, infarto do miocárdio, insuficiência cardíaca e aneurisma.

Como medir a tensão arterial?

Se estiver em risco de diabetes ou sofrer dos sintomas acima mencionados, ou se tiver sido diagnosticado como pré-diabético ou se tiver diabetes, convém monitorizar a sua pressão arterial. Como a pressão precisa de ser medida em diferentes alturas do dia, vale a pena investir num monitor caseiro. Os monitores são baratos e fáceis de usar. Siga as instruções fornecidas pelo fabricante.

Abaixo encontra algumas dicas para escolher um aparelho:

  • Optar por um monitor do braço superior, porque é mais preciso.
  • Os monitores automáticos com banda auto-insuflável são os melhores.
  • Escolher um ecrã com leitura clara e fácil.
  • Sincronização sem fios com smartphones para transferir as leituras para uma aplicação. O rastreio da pressão arterial ao longo do tempo é uma excelente forma de identificar períodos ou alimentos problemáticos.

Como utilizar o monitor?

  • Evite tudo o que possa influenciar a sua pressão arterial, como mastigar ou beber bebidas com cafeína ou alcoólicas com pelo menos 30 minutos de antecedência.
  • Descanse durante cinco minutos numa cadeira confortável sem cruzar as pernas.
  • Apoie o braço para que o cotovelo esteja ao nível do coração ou perto dele.
  • Envolva a faixa insuflável sobre a pele descoberta.
  • Não fale durante a medição.
  • Deixe a banda desinsuflada no lugar, espere um minuto, depois faça uma segunda leitura. Se as leituras estiverem próximas, faça uma média delas. Se não, repita novamente e faça uma média das três leituras.
  • Rastreie as suas leituras de tensão arterial, incluindo a hora do dia.

Riscos da diabetes

A pressão arterial elevada é duas vezes mais provável numa pessoa com diabetes do que sem diabetes, mas tal varia com a idade. Além disso, existe um risco mais elevado de desenvolver diabetes do tipo 2 se já tiver sido diagnosticado com hipertensão.

Embora seja fácil de tratar, 46% dos casos de hipertensão não são diagnosticados, de acordo com Organização Mundial da Saúde (OMS). Tal deve-se principalmente ao facto de as pessoas afetadas não perceberem que têm um problema — há poucos sintomas a assinalar.

Menos da metade dos adultos (42%) com hipertensão arterial são diagnosticados e tratados.

A hipertensão arterial é rotineiramente analisada ao avaliar os fatores de risco de pré-diabetes. Se considerar que cerca de 30-40% dos adultos na Europa Ocidental têm tensão arterial elevada e 10,3% dos homens e 9,6% das mulheres com 25 anos ou mais têm diabetes, o rastreio da tensão arterial regularmente é uma medida preventiva simples para a diabetes do tipo 2, que qualquer pessoa pode fazer no conforto da sua própria casa.

Outros fatores de risco:

  • Idade
  • Peso
  • Sedentarismo
  • Consumo excessivo de álcool
  • Má gestão do stress
  • Histórico familiar de hipertensão
  • Etnia

Como tratar a hipertensão arterial?

Abaixo estão alguns passos simples que podem ser realizados todos os dias para reduzir significativamente a tensão arterial.

Se tem tensão arterial elevada, uma forma eficaz de a reduzir é arranjar um cão. Fazer festinhas a um cão pode reduzir significativamente a pressão sanguínea. Este amigo de quatro patas também tem efeitos positivos a longo prazo em termos de saúde cardíaca, com resultados positivos. No entanto, se ter um cão não se encaixa no seu estilo de vida, há outras coisas que pode fazer, tais como:

  1. Exercício
  2. Dieta
  3. Medicação
  4. Sono
  5. Abandonar maus hábitos
  6. Deixar de fumar
  7. Reduzir o consumo de álcool

Como gerir a hipertensão arterial com a dieta?

A dieta mais popular recomendada para a tensão arterial elevada é a DASH (abordagens dietéticas para parar a hipertensão). É um plano de alimentação saudável especificamente concebido para ajudar a tratar ou prevenir a tensão arterial elevada (hipertensão).

Estudos têm demonstrado que a dieta DASH pode ser eficaz na redução da pressão arterial em apenas duas semanas.

É um padrão dietético rico em micronutrientes, tais como potássio, cálcio e magnésio, mas que limita a ingestão de sódio. Também limita a ingestão não só de gorduras no geral, mas também de gorduras saturadas e colesterol e incentiva o consumo de hidratos de carbono complexos e proteínas.

Quando se traduz em escolhas alimentares reais, é verdadeiramente semelhante a outras orientações dietéticas, como a dieta MyPlate/Mediterrânea, uma vez que ambas são ricas em: 

  • vegetais
  • frutas
  • cereais integrais
  • laticínios magros ou sem gordura
  • peixe e carne de aves
  • leguminosas
  • frutos secos e sementes

Ambas as dietas limitam os alimentos ricos em gordura saturada, tais como carnes gordas e laticínios gordos.

Limitar a ingestão de sódio ou sal

Os efeitos redutores da hipertensão arterial da dieta DASH desviam-se de outras orientações dietéticas essencialmente com base numa maior restrição do sal. A dieta padrão do DASH limita a ingestão de sódio a 2300 mg por dia, mas para os que têm tensão arterial elevada, uma versão mais extrema da DASH limita o sódio a apenas 1500 mg por dia.

A diferença entre o sódio e o sal

Uma grama de sal (NaCl) é igual a 1000 mg de sal, que contém 400 mg de sódio e 600 mg de cloreto. Na Europa, ouvem-se frequentemente recomendações sobre consumo de sal, e nas orientações e padrões alimentares americanos (tal como a dieta DASH) podem ler-se referências ao sódio. Esta diferença pode ser confusa, por isso é importante esclarecer a conversão entre os dois. As orientações alimentares geralmente recomendam não mais do que 5-6 g de sal por dia, valor semelhante às recomendações alimentares do DASH. Contudo, as pessoas continuam a consumir mais, mesmo até 10 g por dia, o que pode ser preocupante.

 

IVale a pena tomar suplementos?

Uma alternativa à versão extrema de 1500 mg da dieta DASH para reduzir a pressão sanguínea é a suplementação com cálcio e vitamina D, o que também pode ser uma alternativa mais saborosa à redução adicional do sal, potencialmente mitigando o efeito do aumento do consumo de sal, mas mais uma vez é necessária investigação adicional. É mais seguro incluir alimentos ricos em cálcio na sua dieta, como laticínios pobres em gordura, sementes de papoila ou pasta de sésamo, ou mesmo peixe rico em gordura que contenha ainda a espinha de peixe, como a sardinha, tal como a dieta DASH recomenda.

NOTA: se tomar bloqueadores dos canais de cálcio para gerir a hipertensão arterial, consulte o seu médico antes de considerar tomar qualquer suplemento de cálcio ou vitamina D.

Dieta saudável para o coração com diabetes do tipo 2

Não existe um plano de refeições ideal que se adapte a todas as pessoas que sofrem de diabetes, por isso é impossível dizer que uma dieta é melhor do que outra.

Dito isto, existem algumas alterações recomendadas à dieta DASH para a tornar mais adequada para a diabetes do tipo 2. Como as pessoas com diabetes tipo 2 também são propensas a doenças cardiovasculares, é recomendado seguir também um plano dietético saudável, se o objetivo não for apenas baixar a pressão arterial elevada, mas também melhorar o perfil lipídico. Para alcançar tais objetivos, precisa também de aumentar a ingestão de gorduras não saturadas tais como ómega 3, fibras viscosas e estanóis/esteróis vegetais.  

Por exemplo, o fabricante do dispositivo de monitorização da glicose, Abbot, e a Cardiovascular Disease and Risk Management: Standards of Medical Care in Diabetes-2022 publicada pela Associação Americana de Diabetes, sugerem a adição de mais gorduras não saturadas através de óleos, frutos secos e sementes para um equilíbrio saudável.

Conclusão

A dieta DASH parece ser adequada para quem sofre de diabetes do tipo 2 e hipertensão. No entanto, a investigação a este respeito tem sido insuficiente, por isso experimente com cautela.

Uma vez que a grande maioria dos doentes com diabetes do tipo 2 também sofre de tensão arterial elevada em algum momento durante a progressão da sua doença, um risco que só aumenta com a idade e a progressão da doença, experimentar uma estratégia/dieta de redução da tensão arterial é uma necessidade, especialmente se quiser evitar medicação e os efeitos secundários associados.

Se a sua dieta atual se revelar insuficiente para prevenir a hipertensão arterial, porque não dar uma chance à dieta Dash?

Tal como acontece com todos os tratamentos personalizados, a tentativa e o erro são inevitáveis. É recomendada uma monitorização cuidadosa do consumo alimentar e é essencial minimizar as complicações. Uma forma excelente e conveniente de o fazer é através de uma aplicação de rastreio alimentar como a DiabTrend.

Referências

 

Lide com a sua diabetes de forma inteligente!

Start DiabTrend

Outras publicações sobre a diabetes